Março Azul Marinho

Instituto do câncer realiza exposição “SOBRE VIVER” em prol da campanha março azul marinho.

Exposição fotográfica busca mostrar que é possível ter uma vida normal com a bolsa de ostomia

Na última quinta-feira (24 de março de 2022), a exposição “Sobre Viver”, produzida pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade ligada ao Complexo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, entrou em cartaz na estação Luz do Metrô, na linha 1-Azul.

A exposição fez parte da campanha Março Azul Marinho, mês de conscientização sobre o câncer colorretal, e teve o intuito de mostrar que com algumas adaptações no dia a dia é possível viver com a bolsa de ostomia. Sete pacientes do Instituto, com diferentes estilos de vida, mostraram através das fotos suas personalidades e gostos.

“A exposição é importante para desmistificar o tratamento dos pacientes com câncer colorretal. Precisamos falar que mesmo que haja necessidade de uma bolsa de ostomia, o indivíduo pode ter uma qualidade de vida muito boa e ninguém precisa ter medo de procurar atendimento por conta disso”. Explicou o Coordenador Médico Cirúrgico do Instituto, Prof. Dr. Ulysses Ribeiro.

Welson Cândido Damas é um dos pacientes fotografados e esteve no Icesp no ano de 2012 e 2021, sendo acompanhado até hoje. Ele contou como a exposição é importante perante a sociedade. “Eu era uma pessoa que nunca tinha entrado em contato com alguém com colostomia e sempre tive uma má impressão sobre isso. Quando me tornei ostomizado, vi que não é um bicho de sete cabeças. É um desafio se expor, mas achei a ideia muito bacana. Espero que a exposição consiga mostrar para a sociedade que não há idade para ser uma pessoa ostomizada e que não é uma situação tão complicada como pensam. Quanto mais campanhas assim tiverem, menos tabus e preconceito as pessoas vão ter”, contou.

Outro paciente que participou da exposição foi a Advalda Silva Santos, que esteve no Icesp para tratamento em 2019 e hoje faz o acompanhamento. Praticante da atividade de pole dance, Wal, como é chamada, também comentou sobre a exposição. “Sinto que tem muita gente que não tem o conhecimento do que é a colostomia, quando você fala, ainda vê cara de nojo, então temos que levar isso adiante. A sociedade precisa saber viver e lidar com pessoas ostomizadas”, disse.

A Coordenadora do Centro de Humanização do Instituto, Maria Helena Sponton, foi uma das idealizadoras da mostra e contou que foi maravilhoso participar da ação. “Essa exposição é um marco na vida dos nossos pacientes. Por meio de uma lente fotográfica, mostraram sua força, alegria e vontade de viver. Participar de uma ação como essa é algo emocionante e que me faz cada dia mais perceber a importância do nosso trabalho empático e acolhedor junto aos nossos pacientes”, finalizou.

Câncer colorretal

O câncer colorretal são tumores que atingem o intestino grosso e/ou reto. O Instituto do Câncer atende por ano, em média, 800 pacientes com este tumor, que é o segundo mais frequente em homens e mulheres no Brasil e costuma ser mais comum em pessoas acima de 50 anos. Seus sintomas incluem sangue nas fezes, dor ou desconforto abdominal, fraqueza, anemia, perda de peso sem causa aparente, alteração do hábito intestinal e no formato das fezes.

Alguns fatores aumentam o risco para o desenvolvimento deste tipo de tumor, como obesidade, sedentarismo, álcool e tabagismo. Para a prevenção, é importante evitar estas condições e possuir uma alimentação rica em fibras, principalmente as que estão presentes em cereais, frutas e verduras, além de evitar a ingestão em demasia de gordura e carne vermelha. É importante também incluir a prática regular de atividades físicas na rotina.

Existe também a prevenção secundária, que é o rastreamento do câncer. A maioria dos tumores surgem a partir de pólipos ou verrugas que crescem na parede do intestino. O teste de sangue oculto nas fezes consegue rastrear quando o indivíduo tem maior chance de ter um pólipo grande ou um tumor nesta região do corpo. Quando o resultado do teste é positivo, é recomendada a realização do exame de colonoscopia, que detecta os pólipos, garantindo a retirada das lesões.

Estes exames devem ser realizados a partir dos 50 anos caso não haja histórico familiar, e acima de 40 anos se existe este histórico ou se indivíduo já tenha tido diagnóstico de câncer anteriormente.

SERVIÇO:

Exposição “Sobre Viver”

Data: 24 de março a 29 de abril

Local: Estação Luz – Linha 1 Azul do Metrô

Aconteceu no Icesp

06 de maio - aniversário Icesp evento - Post
Instituto do Câncer recebe selo de reacreditação internacional
capa
Instituto do Câncer realiza cerimônia em celebração dos 16 anos
240221 - Disciplina de Oncologia Clínica - foto tradicional com Prof
Médicos residentes do Icesp têm melhor desempenho em exame mundial pela terceira vez seguida
A505 - Instagram
Oficina teórico-prática de Cuidados Paliativos do Icesp
MRI machine and screens
Últimas vagas: Capacitação em Atenção ao Paciente Oncológico Crítico e Diagnóstico Por Imagem na Oncologia
PRONON~1
Inscrições abertas: Capacitação técnica em ultrassonografia intensiva
Two general practitioners analyzing medical reports at doctor's office
Icesp promove Capacitação Técnica em Monitorização Hemodinâmica e Manejo de exames laboratoriais e de imagem em Pacientes Críticos
A124 - Centro de Reabilitação - CARF_linkedin
Serviço de Reabilitação do Icesp recebe selo de reacreditação da Commission on Accreditation of Rehabilitation Facilities (CARF)
capa
Instituto do Câncer promove ação na Avenida Paulista para campanha de conscientização sobre o HPV
240219 - Colação de grau - Residentes da Oncologia Clínica, Radi ( (575)
Instituto do Câncer realiza cerimônia de colação de grau dos residentes médicos
240219 - Inauguração do Centro de Estudos e Tecnologias Convergentes para Oncolo (23)
Icesp promove inauguração do Centro de Estudos e Tecnologias Convergentes para Oncologia de Precisão da USP (C2PO)
231218 - Lançamento do Livro Mar de Rosas (5)
Mar de rosas: Icesp promove lançamento do livro com relatos de integrantes do Programa Remama
Feed_cuidados_paliativos_enfase_ocnologia_adulto_01 (1)
Inscrições abertas: Especialização Multiprofissional em Cuidados Paliativos com Ênfase em Oncologia no Adulto
Feed_Radioterapia-para-formação-de-dosimetristas_01 (1)
Inscrições abertas: Especialização em Radioterapia para Formação de Dosimetristas

É o tratamento que utiliza iodo radioativo (Iodo-131) para o controle dos carcinomas diferenciados da glândula tireoide.

O objetivo é combater às células cancerígenas que ainda restaram na tireoide após a cirurgia (tireoidectomia) ou metástases, sendo destruídas através da radiação emitida pelo iodo.

Os pacientes recebem orientação para realização de uma dieta pobre em iodo, no período que antecede a internação, através do nutricionista ambulatorial. Evitam o consumo de sal iodado, sal marinho e alimentos salgados, pois são fontes de iodo.

O que você deve fazer:

• Enxágue a boca com água pura antes das refeições ou faça bochechos com chá de camomila antes das refeições.
• Experimente balas azedas e/ou ácidas ou gotas de limão (30 gotas em 1 copo de 200ml) ou gelatina de limão (caso não apresente feridas na boca).
• Use temperos naturais em maior quantidade, como: manjericão, orégano, salsinha, hortelã, alecrim, coentro, por exemplo.
• Substitua os talheres de metal pelos de plástico, caso sinta sabor residual metálico.
• Mantenha boa higiene bucal.

O que você deve evitar:

• Consumir alimentos muito quentes ou muito gelados.

O que você deve fazer:

• Preparar sua refeição na consistência que for mais bem tolerada, que ofereça menor dificuldade para mastigar ou engolir, podendo variar entre branda, pastosa ou líquida (conforme avaliação da fonoaudióloga).
• Tomar pequenos goles de água ou suco durante as refeições podem ajudar a engolir.
• Faça as refeições em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

O que você deve fazer:

• Consuma alimentos macios e pastosos.
• Prefira alimentos gelados ou à temperatura ambiente.
• Se necessário, utilize alimentos líquidos ou liquidificados.

O que você deve evitar:

• Alimentos ácidos, picantes ou muito salgados.
• Alimentos muito quentes.

O que você deve fazer:

• Prepare as refeições com caldos ou molhos. 
• Se não houver feridas na boca, chupe balas azedas e/ou ácidas, picolés ou gelo e mastigue chicletes (de preferência sabor menta), que podem ajudar a produzir mais saliva.
• Consumir líquidos em abundância: chás, sucos diluídos e, principalmente, água.

O que você deve evitar:

• Comer alimentos secos.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância (chás, sucos diluídos e principalmente água).
• Prefira frutas laxativas: ameixa, laranja, mamão, abacate, ameixa seca, manga, banana nanica.
• Consuma as frutas com casca e bagaço, quando possível.
• Consuma preferencialmente hortaliças cruas (legumes e verduras).
• Consuma farelo de cereais (arroz, aveia ou trigo).
• Consuma produtos integrais (arroz, pães e torradas).
• Consuma leguminosas regularmente (ervilha, feijão, grão de bico, lentilha, soja, por exemplo).
• Consuma leite e derivados: iogurte, leite fermentado, mingau de aveia.

O que você deve evitar:

• Alimentos constipantes, como ricota fresca, queijo branco, sagu, tapioca, maisena, banana prata, banana maçã, pera, goiaba e maçã sem casca e sem sementes, caju.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância: chás, sucos coados e principalmente água.
• Procure ingerir alimentos como batatas, chuchu, cenoura cozida, aipim, inhame, cará, creme de arroz, arroz, macarrão com molho caseiro coado, farinhas, torradas, biscoito água e sal ou de maisena, carnes grelhadas (frango, peixe ou boi).
• Prefira sucos de frutas coados: limonada, caju, maçã e laranja sem açúcar.
• Prefira leite de soja.
• Consuma as frutas: banana-maçã, maçã e pera sem casca, goiaba sem casca e semente, caju.
• Consuma apenas o caldo de leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico). 

O que você deve evitar:

• Leite e derivados. 
• Alimentos gordurosos (manteiga, toucinho, banha, creme de leite, por exemplo).
• Frutas cruas em geral.
• Frutas e sementes oleaginosas (abacate, coco, nozes, amêndoas, amendoim, castanhas). 
• Condimentos picantes (páprica, pimenta, mostarda, ketchup, por exemplo).
• Conservas em geral (picles, azeitona, palmito, aspargos, milho e ervilha).
• Embutidos (salsicha, linguiça, presunto, salame, mortadela, por exemplo). 
• Leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico).
• Hortaliças cruas: legumes e verduras folhosas.
• Alimentos que causam flatulência (gases), como couve-flor, brócolis, repolho e ovo.

O que você deve fazer:

• Prefira alimentos gelados ou em temperatura ambiente.
• Faça pequenas refeições em menor intervalo de tempo.
• Coma devagar e mastigue bem os alimentos.
• Beba sucos ou chupe gelo ou picolé de frutas cítricas, como limão (se não estiver com feridas na boca) nos intervalos das refeições.
• Realize suas refeições em lugares bem arejados.

O que você deve evitar:

•Frituras e alimentos gordurosos.
•Doces concentrados, como compotas, goiabada, marmelada.
•Condimentos fortes (pimenta, ketchup, mostarda, molho inglês, por exemplo).
•Deitar-se após as refeições.
•Ficar próximo à cozinha durante o preparo das refeições. 

Banco Santander 033

Agência 0201

Conta Corrente 13-005061-5

Fundação Faculdade de Medicina/ICESP

CNPJ 56.577.059/0006-06

Pular para o conteúdo
Faça a sua doação