Instituto do Câncer realiza Roda de Conversa no Museu de Arte Contemporânea

Para encerrar as ações em prol da campanha Março Azul Marinho, na manhã do dia 27, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade que integra o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e está ligado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, realizou a roda de conversa com o tema “Qualidade de vida do paciente em tratamento de câncer colorretal”. O evento contou com a participação de especialistas, pacientes e a população em geral para falar sobre o tema e foi realizado no auditório do Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), em São Paulo. 

O início do evento foi marcado por uma apresentação do grupo de teatro do Icesp. Para compor a mesa foram convidados: o coordenador da Oncologia Cirúrgica do Icesp, Prof. Dr. Ulysses Ribeiro Júnior; o chefe do grupo de Gastrointestinal da Oncologia Clínica do Icesp, Dr. Jorge Sabbaga; a enfermeira Estomaterapeuta, Rita de Cássia Freitas; e a enfermeira e paciente do Icesp, Jaqueline Germano. Como mediadores do evento estavam o coordenador de Relações Institucionais do Icesp, Felipe Godoy, e a coordenadora do Serviço de Reabilitação do Icesp, Munique Egle. 

Os especialistas, Prof. Dr. Ulysses Ribeiro Júnior e Dr. Jorge Sabbaga,  falaram sobre os tipos de prevenção, primária e secundária, com destaque para a mudança de hábitos como uma forma de diminuir a incidência da doença a longo prazo. Além disso, reforçaram a importância do rastreamento para chegar a um diagnóstico precoce, pois quanto mais cedo descoberto o câncer, maiores as chances de um tratamento menos agressivo ao paciente.

“70% dos casos advém dos nossos hábitos de vida, a nossa exposição aos fatores de risco, então se tivermos um hábito mais saudável é muito provável que a gente consiga diminuir a incidência da doença, é o que chamamos de prevenção primária”, reforçou o Prof. Dr. Ulysses Ribeiro Júnior. 

“Quando falamos de prevenção secundária, que refere-se a detectar precocemente a doença, isso tem grande utilidade no caso do câncer colorretal, pois é um dos meios que auxilia nas melhores chances de cura”, enfatizou o Dr. Jorge Sabbaga. 

Em um relato emocionado, a paciente e enfermeira do Icesp, Jaqueline Germano, contou sobre sua experiência com a doença, em que destacou a importância do acesso ao tratamento e as dificuldades enfrentadas entre a aceitação do diagnóstico até as sessões de quimioterapia. “Em vários momentos do processo pensamos em desistir, mas temos que sempre lembrar que é um passo de cada vez, temos dias bons e ruins”, concluiu. 

Ao falar sobre os cuidados com o paciente que necessita usar uma bolsa de ostomia temporária ou permanente devido o tratamento de câncer colorretal, a enfermeira Estomaterapeuta, Rita de Cássia Freitas, reforçou a importância de sempre mostrar que eles podem ter acesso à qualidade de vida com algumas adaptações no dia a dia. “É necessário sempre reforçar a importância da reinserção destes indivíduos em suas vidas sociais, não podemos limitá-los devido à ostomia”, enfatizou. 

Ao final do evento, os participantes ganharam uma visita guiada no Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP) em que tiveram a oportunidade de conhecer um acervo belíssimo de obras de arte e ainda conhecer a vista do prédio para uma foto panorâmica.

Aconteceu no Icesp

ensino e pesquisa (2)
Especialização em Nutrição em Oncologia abre inscrições
CAPA
Residente do Programa de Residência Médica em Oncologia Clínica recebe prêmio internacional na ASCO
box 1
Prof. Dr. Paulo Hoff recebe prêmio de Personalidade do Ano na feira Hospitalar 2024
foto
Instituto do Câncer realiza mais uma edição do Programa “Você faz parte dessa história”
POST SITE
Registro Hospitalar de Câncer (RHC) do Icesp participa de evento da Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP)
Feed Estomaterapia
Inscrições abertas: Especialização de Enfermagem em Estomaterapia
06 de maio - aniversário Icesp evento - Post
Instituto do Câncer recebe selo de reacreditação internacional
capa
Instituto do Câncer realiza cerimônia em celebração dos 16 anos
240221 - Disciplina de Oncologia Clínica - foto tradicional com Prof
Médicos residentes do Icesp têm melhor desempenho em exame mundial pela terceira vez seguida

É o tratamento que utiliza iodo radioativo (Iodo-131) para o controle dos carcinomas diferenciados da glândula tireoide.

O objetivo é combater às células cancerígenas que ainda restaram na tireoide após a cirurgia (tireoidectomia) ou metástases, sendo destruídas através da radiação emitida pelo iodo.

Os pacientes recebem orientação para realização de uma dieta pobre em iodo, no período que antecede a internação, através do nutricionista ambulatorial. Evitam o consumo de sal iodado, sal marinho e alimentos salgados, pois são fontes de iodo.

O que você deve fazer:

• Enxágue a boca com água pura antes das refeições ou faça bochechos com chá de camomila antes das refeições.
• Experimente balas azedas e/ou ácidas ou gotas de limão (30 gotas em 1 copo de 200ml) ou gelatina de limão (caso não apresente feridas na boca).
• Use temperos naturais em maior quantidade, como: manjericão, orégano, salsinha, hortelã, alecrim, coentro, por exemplo.
• Substitua os talheres de metal pelos de plástico, caso sinta sabor residual metálico.
• Mantenha boa higiene bucal.

O que você deve evitar:

• Consumir alimentos muito quentes ou muito gelados.

O que você deve fazer:

• Preparar sua refeição na consistência que for mais bem tolerada, que ofereça menor dificuldade para mastigar ou engolir, podendo variar entre branda, pastosa ou líquida (conforme avaliação da fonoaudióloga).
• Tomar pequenos goles de água ou suco durante as refeições podem ajudar a engolir.
• Faça as refeições em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

O que você deve fazer:

• Consuma alimentos macios e pastosos.
• Prefira alimentos gelados ou à temperatura ambiente.
• Se necessário, utilize alimentos líquidos ou liquidificados.

O que você deve evitar:

• Alimentos ácidos, picantes ou muito salgados.
• Alimentos muito quentes.

O que você deve fazer:

• Prepare as refeições com caldos ou molhos. 
• Se não houver feridas na boca, chupe balas azedas e/ou ácidas, picolés ou gelo e mastigue chicletes (de preferência sabor menta), que podem ajudar a produzir mais saliva.
• Consumir líquidos em abundância: chás, sucos diluídos e, principalmente, água.

O que você deve evitar:

• Comer alimentos secos.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância (chás, sucos diluídos e principalmente água).
• Prefira frutas laxativas: ameixa, laranja, mamão, abacate, ameixa seca, manga, banana nanica.
• Consuma as frutas com casca e bagaço, quando possível.
• Consuma preferencialmente hortaliças cruas (legumes e verduras).
• Consuma farelo de cereais (arroz, aveia ou trigo).
• Consuma produtos integrais (arroz, pães e torradas).
• Consuma leguminosas regularmente (ervilha, feijão, grão de bico, lentilha, soja, por exemplo).
• Consuma leite e derivados: iogurte, leite fermentado, mingau de aveia.

O que você deve evitar:

• Alimentos constipantes, como ricota fresca, queijo branco, sagu, tapioca, maisena, banana prata, banana maçã, pera, goiaba e maçã sem casca e sem sementes, caju.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância: chás, sucos coados e principalmente água.
• Procure ingerir alimentos como batatas, chuchu, cenoura cozida, aipim, inhame, cará, creme de arroz, arroz, macarrão com molho caseiro coado, farinhas, torradas, biscoito água e sal ou de maisena, carnes grelhadas (frango, peixe ou boi).
• Prefira sucos de frutas coados: limonada, caju, maçã e laranja sem açúcar.
• Prefira leite de soja.
• Consuma as frutas: banana-maçã, maçã e pera sem casca, goiaba sem casca e semente, caju.
• Consuma apenas o caldo de leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico). 

O que você deve evitar:

• Leite e derivados. 
• Alimentos gordurosos (manteiga, toucinho, banha, creme de leite, por exemplo).
• Frutas cruas em geral.
• Frutas e sementes oleaginosas (abacate, coco, nozes, amêndoas, amendoim, castanhas). 
• Condimentos picantes (páprica, pimenta, mostarda, ketchup, por exemplo).
• Conservas em geral (picles, azeitona, palmito, aspargos, milho e ervilha).
• Embutidos (salsicha, linguiça, presunto, salame, mortadela, por exemplo). 
• Leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico).
• Hortaliças cruas: legumes e verduras folhosas.
• Alimentos que causam flatulência (gases), como couve-flor, brócolis, repolho e ovo.

O que você deve fazer:

• Prefira alimentos gelados ou em temperatura ambiente.
• Faça pequenas refeições em menor intervalo de tempo.
• Coma devagar e mastigue bem os alimentos.
• Beba sucos ou chupe gelo ou picolé de frutas cítricas, como limão (se não estiver com feridas na boca) nos intervalos das refeições.
• Realize suas refeições em lugares bem arejados.

O que você deve evitar:

•Frituras e alimentos gordurosos.
•Doces concentrados, como compotas, goiabada, marmelada.
•Condimentos fortes (pimenta, ketchup, mostarda, molho inglês, por exemplo).
•Deitar-se após as refeições.
•Ficar próximo à cozinha durante o preparo das refeições. 

Banco Santander 033

Agência 0201

Conta Corrente 13-005061-5

Fundação Faculdade de Medicina/ICESP

CNPJ 56.577.059/0006-06

Pular para o conteúdo
Faça a sua doação