Instituto do Câncer reforça campanha contra o HPV e câncer do colo do útero

Vírus está relacionado a 100% dos casos de câncer do colo do útero e pode ser prevenido

 

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade ligada ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, retoma a campanha contra o papilomavírus humano (HPV), com atividades que têm o intuito de levar informações de forma dinâmica e auxiliar na conscientização e prevenção do vírus.

Na semana do Dia Internacional de Conscientização sobre o HPV, 4 de março, o Instituto contou com uma programação especial na sua página do Instagram @institutodocancersp, com vídeos de perguntas da população a respeito do vírus, no modelo “Povo Fala”, que serão respondidas pela equipe do Centro de Investigação Translacional em Oncologia (CTO) do Icesp.

Já no dia 3 de março, das 10h às 11h30, especialistas e colaboradores da instituição esteve no Terminal Metropolitano Jabaquara da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), na campanha “Unidos pela conscientização sobre o HPV”, que contou com placas estilizadas, banner interativo e distribuição de folhetos. A equipe esteve disponível para responder dúvidas dos passageiros e disseminar informações sobre o assunto.

“É nosso papel conscientizar as pessoas e abordar a importância do autocuidado na prevenção do vírus, que é o causador da infecção sexualmente transmissível mais comum no mundo, atingindo não só mulheres, mas homens também”, enfatiza a Profa. Dra. Luisa Lina Villa, chefe do Laboratório de Pesquisa e Inovação em Câncer do Icesp.

O que é o HPV?

O HPV é um vírus que possui mais de 100 tipos, e que se instala na pele e em mucosas, sendo sua principal forma de transmissão por meio da relação sexual. Mais raramente, pode acontecer também pelo contato com as mãos, objetos ou roupas de uso pessoal contaminados e de mãe para filho, durante o parto.

Ele não só atinge mulheres, como também homens e crianças de ambos os sexos, e pode causar diversas doenças, como verrugas, além de tumores do colo do útero, vagina, ânus, boca e garganta, vulva e pênis.

Por isso, é importante que mulheres consultem um ginecologista regularmente para realizar exames de rotina e principalmente o Papanicolau, a fim de fazer o rastreamento de lesões no colo do útero. Para os homens, porém, ainda não existe rastreamento para os tumores causados por HPV.

De acordo com a Profa. Dra. Luisa, não há um tratamento específico para a doença. “Na maioria dos casos, as infecções são eliminadas espontaneamente pelo organismo, sem que se observe qualquer sinal ou lesão. Entretanto, alguns tipos de HPV podem causar verrugas genitais, e outros tipos, quando persistentes, podem causar o câncer”, explica.

Dentre os tumores causados pelo vírus, o do câncer do colo do útero está 100% ligado a ele. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), este tumor é o terceiro mais incidente entre as mulheres no Brasil. Em 2022, o Icesp atendeu cerca de 265 novos casos.

 

Prevenção

O uso do preservativo é uma barreira parcial na transmissão do HPV e é sempre recomendável por ser muito eficaz na prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (IST), em todos os tipos de relação. A boa higiene genital, das mãos e de objetos de uso íntimo também pode minimizar o risco de contato com o vírus.

Entretanto, a melhor maneira de se prevenir contra o HPV continua sendo a vacinação. Desde 2014, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) disponibiliza, gratuitamente, a vacina quadrivalente, que protege contra quatro tipos diferentes de vírus, dentre os quais estão os tipos 6 e 11, responsáveis por 90% das verrugas genitais, e 16 e 18, causadores de 70% dos cânceres de colo do útero e uma proporção significativa dos tumores em outros locais do corpo.

As vacinas são aplicadas em duas doses para meninos e meninas de 9 a 14 anos e, também, em três doses para homens e mulheres de 9 a 45 anos que vivem com doenças, como HIV, lúpus, pacientes com câncer em tratamento de radioterapia e quimioterapia, e pessoas transplantadas de órgãos sólidos e medula óssea.

De 2014 a 2022, a cobertura vacinal contra o HPV no Estado de São Paulo correspondeu a 78% da primeira dose e 59,6% da segunda dose em meninas. Já de 2017 a 2022, foram registrados 58,4% da primeira dose e 39,2% da segunda dose em meninos. As taxas de cobertura podem ser menores dependendo da região do país.

“Para que a vacina seja 100% eficaz, ela deve ser administrada antes do início da atividade sexual, assim, permite que o vírus seja impedido de entrar no corpo. Além de que, uma pessoa mais nova possui um sistema imune mais potente, gerando anticorpos em grande quantidade e muito eficientes”, finaliza a Profa. Dra. Luisa.

 

SERVIÇO:

Ação: “Unidos pela conscientização sobre o HPV”

Data: 3 de março

Horário: 10h às 11h30

Local: Terminal Metropolitano Jabaquara da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU)

Aconteceu no Icesp

ensino e pesquisa (2)
Especialização em Nutrição em Oncologia abre inscrições
CAPA
Residente do Programa de Residência Médica em Oncologia Clínica recebe prêmio internacional na ASCO
box 1
Prof. Dr. Paulo Hoff recebe prêmio de Personalidade do Ano na feira Hospitalar 2024
foto
Instituto do Câncer realiza mais uma edição do Programa “Você faz parte dessa história”
POST SITE
Registro Hospitalar de Câncer (RHC) do Icesp participa de evento da Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP)
Feed Estomaterapia
Inscrições abertas: Especialização de Enfermagem em Estomaterapia
06 de maio - aniversário Icesp evento - Post
Instituto do Câncer recebe selo de reacreditação internacional
capa
Instituto do Câncer realiza cerimônia em celebração dos 16 anos
240221 - Disciplina de Oncologia Clínica - foto tradicional com Prof
Médicos residentes do Icesp têm melhor desempenho em exame mundial pela terceira vez seguida

É o tratamento que utiliza iodo radioativo (Iodo-131) para o controle dos carcinomas diferenciados da glândula tireoide.

O objetivo é combater às células cancerígenas que ainda restaram na tireoide após a cirurgia (tireoidectomia) ou metástases, sendo destruídas através da radiação emitida pelo iodo.

Os pacientes recebem orientação para realização de uma dieta pobre em iodo, no período que antecede a internação, através do nutricionista ambulatorial. Evitam o consumo de sal iodado, sal marinho e alimentos salgados, pois são fontes de iodo.

O que você deve fazer:

• Enxágue a boca com água pura antes das refeições ou faça bochechos com chá de camomila antes das refeições.
• Experimente balas azedas e/ou ácidas ou gotas de limão (30 gotas em 1 copo de 200ml) ou gelatina de limão (caso não apresente feridas na boca).
• Use temperos naturais em maior quantidade, como: manjericão, orégano, salsinha, hortelã, alecrim, coentro, por exemplo.
• Substitua os talheres de metal pelos de plástico, caso sinta sabor residual metálico.
• Mantenha boa higiene bucal.

O que você deve evitar:

• Consumir alimentos muito quentes ou muito gelados.

O que você deve fazer:

• Preparar sua refeição na consistência que for mais bem tolerada, que ofereça menor dificuldade para mastigar ou engolir, podendo variar entre branda, pastosa ou líquida (conforme avaliação da fonoaudióloga).
• Tomar pequenos goles de água ou suco durante as refeições podem ajudar a engolir.
• Faça as refeições em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

O que você deve fazer:

• Consuma alimentos macios e pastosos.
• Prefira alimentos gelados ou à temperatura ambiente.
• Se necessário, utilize alimentos líquidos ou liquidificados.

O que você deve evitar:

• Alimentos ácidos, picantes ou muito salgados.
• Alimentos muito quentes.

O que você deve fazer:

• Prepare as refeições com caldos ou molhos. 
• Se não houver feridas na boca, chupe balas azedas e/ou ácidas, picolés ou gelo e mastigue chicletes (de preferência sabor menta), que podem ajudar a produzir mais saliva.
• Consumir líquidos em abundância: chás, sucos diluídos e, principalmente, água.

O que você deve evitar:

• Comer alimentos secos.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância (chás, sucos diluídos e principalmente água).
• Prefira frutas laxativas: ameixa, laranja, mamão, abacate, ameixa seca, manga, banana nanica.
• Consuma as frutas com casca e bagaço, quando possível.
• Consuma preferencialmente hortaliças cruas (legumes e verduras).
• Consuma farelo de cereais (arroz, aveia ou trigo).
• Consuma produtos integrais (arroz, pães e torradas).
• Consuma leguminosas regularmente (ervilha, feijão, grão de bico, lentilha, soja, por exemplo).
• Consuma leite e derivados: iogurte, leite fermentado, mingau de aveia.

O que você deve evitar:

• Alimentos constipantes, como ricota fresca, queijo branco, sagu, tapioca, maisena, banana prata, banana maçã, pera, goiaba e maçã sem casca e sem sementes, caju.

O que você deve fazer:

• Consuma líquidos em abundância: chás, sucos coados e principalmente água.
• Procure ingerir alimentos como batatas, chuchu, cenoura cozida, aipim, inhame, cará, creme de arroz, arroz, macarrão com molho caseiro coado, farinhas, torradas, biscoito água e sal ou de maisena, carnes grelhadas (frango, peixe ou boi).
• Prefira sucos de frutas coados: limonada, caju, maçã e laranja sem açúcar.
• Prefira leite de soja.
• Consuma as frutas: banana-maçã, maçã e pera sem casca, goiaba sem casca e semente, caju.
• Consuma apenas o caldo de leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico). 

O que você deve evitar:

• Leite e derivados. 
• Alimentos gordurosos (manteiga, toucinho, banha, creme de leite, por exemplo).
• Frutas cruas em geral.
• Frutas e sementes oleaginosas (abacate, coco, nozes, amêndoas, amendoim, castanhas). 
• Condimentos picantes (páprica, pimenta, mostarda, ketchup, por exemplo).
• Conservas em geral (picles, azeitona, palmito, aspargos, milho e ervilha).
• Embutidos (salsicha, linguiça, presunto, salame, mortadela, por exemplo). 
• Leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico).
• Hortaliças cruas: legumes e verduras folhosas.
• Alimentos que causam flatulência (gases), como couve-flor, brócolis, repolho e ovo.

O que você deve fazer:

• Prefira alimentos gelados ou em temperatura ambiente.
• Faça pequenas refeições em menor intervalo de tempo.
• Coma devagar e mastigue bem os alimentos.
• Beba sucos ou chupe gelo ou picolé de frutas cítricas, como limão (se não estiver com feridas na boca) nos intervalos das refeições.
• Realize suas refeições em lugares bem arejados.

O que você deve evitar:

•Frituras e alimentos gordurosos.
•Doces concentrados, como compotas, goiabada, marmelada.
•Condimentos fortes (pimenta, ketchup, mostarda, molho inglês, por exemplo).
•Deitar-se após as refeições.
•Ficar próximo à cozinha durante o preparo das refeições. 

Banco Santander 033

Agência 0201

Conta Corrente 13-005061-5

Fundação Faculdade de Medicina/ICESP

CNPJ 56.577.059/0006-06

Pular para o conteúdo
Faça a sua doação