Ainda na vida intrauterina, as células se dividem dando origem aos órgãos e tecidos, que possuem especificidades e funções próprias. Algumas destas células são substituídas ao longo da vida, como as da pele; outras já não têm esta capacidade, como a maior parte das que compõem o sistema nervoso.

Essas células podem adoecer ao longo da vida. Geralmente, diante disso, elas morrem ou são destruídas pelo sistema imunológico. Porém, há a possibilidade de ocorrer um processo de multiplicação ágil e desordenado, prejudicando as estruturas presentes no entorno dessa célula; o que chamamos de tumor ou neoplasias, que podem ser benignas ou malignas.

Quando esta multiplicação acontece sem que as células percam sua identidade e função, surge um tumor benigno. Quando, além do aumento anormal em número, as células doentes perdem sua identidade, está se desenvolvendo um tumor maligno, ou seja, um câncer. O câncer é conjunto de mais de 100 enfermidades, que podem atingir os mais diversos órgãos do organismo.

Em alguns casos, as células doentes podem se multiplicar e se espalhar para diversas regiões do corpo, disfunção chamada de metástase.

INSTITUTO DO CÂNCER DO ESTADO DE SÃO PAULO

Av. Dr. Arnaldo, 251 - Cerqueira César - São Paulo - SP
CEP: 01246-000 | Tel.11 3893-2000